Pular para o conteúdo principal

Sem F-1 em 2020, SP perde evento com impacto superior a R$ 300 milhões

O anúncio da organização da F-1 de que não haverá GP no Brasil em 2020 representa um golpe duro não apenas para a história da categoria no Brasil, mas também para os cofres da prefeitura de São Paulo.

De acordo com pesquisa do Observatório de Turismo e Eventos da SPTuris, a empresa de turismo da capital, o impacto econômico gerado pelo GP Brasil em 2019 foi de R$ 361 milhões. Em 2018, também segundo a SPTuris, o evento movimentou R$ 334 milhões.

Para a realização da corrida no ano passado, o autódromo de Interlagos contou com um investimento de R$ 75 milhões de dinheiro público, segundo levantamento feito pela reportagem, para benfeitorias na estrutura do local, como reformas nas pistas e nas dependências internas, especialmente nos boxes.
A maior parte desse valor, R$ 41 milhões, foi paga pelo governo federal, e o restante bancado pela prefeitura. 

Neste ano, caso Interlagos recebesse a prova, a movimentação econômica na cidade seria consideravelmente menor, já que o autódromo provavelmente não poderia receber público, como vem ocorrendo nos GPs da atual temporada na Europa. Isso derrubaria o fluxo de turistas que vêm ao país para acompanhar a corrida.

A F-1 não cancelou somente as provas no Brasil, mas em toda a América. Estados Unidos, Canadá e México também tinham Grandes Prêmios previstos para 2020, mas ficarão sem os eventos.

Nesta sexta-feira (24), o prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), lamentou a decisão e afirmou que o município estaria preparado para receber o GP.

"Nós, ao longo dessas semanas, enviamos todos os dados à organização do evento, mostrando que a realidade da cidade de São Paulo e do estado são bem diferentes da realidade brasileira. A projeção mostra que em novembro estaremos numa situação bem melhor do que estavam países europeus onde já tivemos a realização de Grandes Prêmios", afirmou Covas em entrevista coletiva.

A atual temporada da F-1, que começou no início de julho, já teve três provas realizadas (duas sediadas na Áustria e uma na Hungria) e ficará restrita a países da Europa e da Ásia.

Até esta sexta, a cidade de São Paulo já havia registrado mais de 173 mil casos da Covid-19 e superado a marca de 9.000 mortes.

A notícia da não realização do evento no Brasil em 2020 chega em um momento no qual São Paulo e Rio de Janeiro disputam a sede da F-1 no país, cujo contrato com a capital paulista se encerra neste ano.

Sem a confirmação por parte da organização da categoria de onde será o GP Brasil a partir de 2021, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), segue publicamente otimista que a cidade irá manter o evento. O prefeito Bruno Covas também se diz confiante sobre a manutenção da sede a partir do próximo ano.

"Continuamos as tratativas com a organização do evento para a prorrogação do contrato a partir do ano que vem", afirmou Covas nesta sexta, quando também disse que uma licitação no valor de R$ 48 milhões para mais obras no autódromo será cancelada.

A atual temporada da F-1, que começou no início de julho, já teve três provas realizadas (duas sediadas na Áustria e uma na Hungria) e ficará restrita a países da Europa e da Ásia.

Até esta sexta, a cidade de São Paulo já havia registrado mais de 173 mil casos da Covid-19 e superado a marca de 9.000 mortes.

A notícia da não realização do evento no Brasil em 2020 chega em um momento no qual São Paulo e Rio de Janeiro disputam a sede da F-1 no país, cujo contrato com a capital paulista se encerra neste ano. 

Sem a confirmação por parte da organização da categoria de onde será o GP Brasil a partir de 2021, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), segue publicamente otimista que a cidade irá manter o evento. O prefeito Bruno Covas também se diz confiante sobre a manutenção da sede a partir do próximo ano.

"Continuamos as tratativas com a organização do evento para a prorrogação do contrato a partir do ano que vem", afirmou Covas nesta sexta, quando também disse que uma licitação no valor de R$ 48 milhões para mais obras no autódromo será cancelada.

Com muitas incertezas sobre o futuro da F-1 no Brasil, os possíveis cenários a partir de 2021 são: a prefeitura da capital paulista renova o acordo e garante a permanência da corrida na cidade; o GP é deslocado para o Rio de Janeiro, que ainda tenta tirar um autódromo do papel; a prova deixar de ser realizada no país.

A força-tarefa criada em São Paulo, que envolve o governo do estado e a prefeitura, além da promotora do evento em Interlagos, a empresa Interpub, tenta convencer a F-1 a assinar um novo contrato.

A FOM, braço comercial da categoria, sob a gestão do americano Chase Carey, não abre mão de receber a chamada "taxa de promotor", que pelo acordo assinado em 2014 São Paulo está isenta de pagar. O valor não é público nem fixo, variando conforme o local do evento.

O Rio de Janeiro, por exemplo, teria feito uma oferta de US$ 35 milhões (R$ 182 milhões) pela taxa, valor que dificilmente seria superado pelos paulistas.

Por outro lado, a empresa vencedora da licitação para construir um novo autódromo na capital fluminense nem começou a tirá-lo do papel. A promessa é que a construção de um circuito em Deodoro, na zona oeste da cidade, no valor de R$ 697 milhões, seja quitada apenas com recursos privados.

Uma das etapas necessárias para o início da construção estava travada até a última semana, quando o STF (Supremo Tribunal Federal) atendeu a um pleito da Prefeitura do Rio Janeiro e permitiu que uma audiência pública para analisar o impacto ambiental das obras seja feita virtualmente.Folhapress/Foto:DR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em ato inédito, Governo do RN distribui sementes crioulas para agricultores familiares

Casada, mãe de três filhos, Ana Maria da Silva Gomes, 52, é agricultora, guardiã de sementes, pescadora e cabeleireira da comunidade Assentamento Professor Maurício de Oliveira, na cidade de Assu, região Oeste do Rio Grande do Norte.  Ela representa uma das três mil famílias beneficiadas pelo Programa Estadual de Sementes Crioulas - as sementes da tradição - que pela primeira vez estão sendo doadas pelo governo estadual para agricultores familiares.  A primeira etapa de distribuição, realizada através da Secretaria de Estado da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Rural (Sedraf), ocorreu nesta sexta-feira (31), no auditório da Ufersa (Universidade Federal Rural do Semiárido), em Mossoró, onde foram entregues sementes de milho, feijão, sorgo, castanha de caju, fava e arroz vermelho. Os tipos de sementes foram definidos pelos próprios agricultores porque são as mais utilizadas pela maioria dos contemplados, cuja tradição é passada de geração a geração. Para execução do

Governo do RN garante cumprimento do piso salarial do magistério

O Governo do Estado, através da governadora professora Fátima Bezerra e do secretário de estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer (SEEC-RN), professor Getúlio Marques, assegura o cumprimento do Piso Nacional do Magistério. Em janeiro de 2020, o Ministério da Educação (MEC) anunciou reajuste de 12,84%. O salário dos profissionais da rede pública da educação básica em início de carreira passará de R$ 2.557,74 para R$ 2.886,24. “Nós continuamos abertos ao diálogo com o sindicato, garantindo não somente o reajuste, como também o pagamento retroativo”, afirmou o secretário. Ele explicou que o percentual proposto pelo MEC está acima da previsão da receita do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), que financia a rede básica de Educação. Em 2019, o Governo do Estado recebeu R$ 902 milhões e a previsão para este ano é de R$ 926 milhões, ou seja, menos de 3% de aumento. Mesmo diante desse déficit

Claudia Rodrigues sofre convulsão e é encaminhada para a UTI

A  atriz Claudia Rodrigues sofreu uma queda onde acabou tendo uma convulsão na sequência e foi levada para o Hospital Alberto Einstein, em São Paulo, onde acabou sendo internada na Unidade de Terapia Intensiva. De acordo com informações da colunista Fábia Oliveira, do jornal 'O Dia', diagnosticada com esclerose múltipla e com diminuição de parte da massa encefálica, a atriz desenvolveu um edema cerebral, por conta da queda, descoberto pelos médicos nesta quinta-feira (30).  Procurada, a assessoria do hospital confirmou a internação da atriz. Os representantes de Claudia, no entanto, ainda não se pronunciaram oficialmente sobre a nova internação.  No mês de dezembro, a artista foi internada na mesma unidade para tratamento contra a doença degenerativa.Com informações de Notícias Ao Minuto Brasil/Foto:Divulgação