"Sou muito feminino e acho isso positivo", afirma Chay Suede - Salomão Medeiros

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

"Sou muito feminino e acho isso positivo", afirma Chay Suede

Em uma conversa permeada por gritinhos histéricos da plateia composta majoritariamente por jovens garotas -e alguns garotos-, o jornalista Pedro Bial questionou o ator capixaba Chay Suede, 26, se ele não exploraria um pouco de certa androgenia em suas interpretações.

"Com certeza exploro", replicou Suede. "Sou muito feminino e acho isso muito positivo", disse o ator, que é um dos entrevistados do Conversa do Bial (Globo) desta quinta-feira (20).

Em uma entrevista que abordou temas como política, família e, claro, vida profissional, Chay foi apresentado por Bial como "o terceiro sol de o 'Segundo Sol'". O ator, que está na trama das nove como Ícaro, de fato está voando.

"Interpretar o Ícaro é um grande prazer, mas não fazia ideia de como seria. Achei que podia ser ridicularizado em qualquer nível", disse o ator.
Prestes a estrear em quatro filmes e a lançar seu primeiro longa como diretor, Suede atualmente é uma das principais apostas da Globo. Ao contrário do homônimo mitológico de seu personagem ficcional, que ao tentar voar muito próximo do Sol acabou caindo em direção à morte, a história de Suede é menos dramática.

Nascido Roobertchay -um nome inventado pelo avô do ator, que criou um dialeto só falado pelo próprio- Suede não foi ridicularizado. Pelo contrário, as experiências em novelas da Globo (essa é a quinta do ator) o credenciaram a ter uma carreira profícua no cinema nacional.

Solteiro desde julho, quando rompeu seu noivado com a atriz e modelo Laura Neiva, Chay não abordou o término durante a conversa, embora o amor tenha sido um tema importante. "Representar é amar em grupo", disse o ator.

No final do ano será lançado o filme "Minha Fama de Mau", onde ele interpreta o músico Erasmo Carlos. Além disso, o ator deve aparecer nas telonas pelo menos mais três vezes em 2019, nos filmes "Rasga Coração", "Domingo" e "O Sofá". "Fazer TV alimenta o ator a fazer cinema. Horas no set é tempo de voo, ajuda muito."

O ator, que, quando mais novo, chegou a ser aprovado em terceiro lugar no curso de audiovisual da Universidade Federal do Espírito Santo, também prepara sua estreia na direção, realizada ao lado do pai, Roobertchay da Rocha, no filme "O Eremita".

POLÍTICA-Apesar de evitar se posicionar abertamente sobre as próximas eleições, Chay Suede não resistiu a, durante a entrevista e discretamente, inserir uma frase contrária ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), líder da corrida eleitoral segundo a mais recente pesquisa realizada pelo Datafolha.

Questionado por Bial se estaria assustado com o resultado das eleições de outubro, "independentemente de quem vença", Chay afirmou que a preocupação "dependeria de quem vence".

"Ele não né", disse Chay, citando o bordão anti-Bolsonaro que fez sucesso nas redes sociais nos últimos dias e sendo bastante aplaudido pela plateia ao fazê-lo. O ator ainda afirmou que o Brasil "regrediu" nos últimos anos e que "o moralismo está sendo usado como um instrumento de voto".

Em Babilônia, Chay interpretou o filho adotivo do casal lésbico formado pelas atrizes Fernanda Montenegro e Nathália Timberg, que causou polêmica ao protagonizar um selinho em um dos primeiros capítulos da trama."Aprendi que a gente conhece muito pouco nosso país", disse Chay. "Jamais imaginei que aquilo seria uma questão e foi uma coisa que acabou afetando toda a novela, mesmo em termos de audiência.Com informações da Folhapress/Foto:Reprodução Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deste blog estão sujeitos a moderação e não serão publicados: comentário com ofensa pessoal, racismo, bullying ou desrespeito a opinião dos outros e/ou ofensas a outros comentários.

Redes Sociais

Siga para ficar mais próximo do blog.

Recentes

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *