Matéria destacando potencialidades de Felipe Guerra no Jornal O Vale do Apodi completa um ano - Salomão Medeiros
publicidade

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Matéria destacando potencialidades de Felipe Guerra no Jornal O Vale do Apodi completa um ano

Em uma matéria destacando as potencialidades turísticas do município de Felipe Guerra, região Oeste do estado do Rio Grande do Norte, com destaque de chamada de capa no Jornal O Vale do Apodi: “Felipe Guerra: Um interior que encanta”, assinada pelo colunista Salomão Medeiros, publicada no mês de Novembro de 2008.

Estudos realizados pela Sociedade Espeleológica Potiguar (SEP) afirmam que das 219 cavernas no Estado do RN, somente em Felipe Guerra existem 129.

Lo­ca­li­za­do na re­gião Oes­te Po­ti­guar, o mu­ni­cí­pio de Fe­li­pe Guer­ra, a 351 qui­lô­me­tros da ca­pi­tal do Es­ta­do do Rio Gran­de do Nor­te, Na­tal, com uma po­pu­la­ção de 5.680 ha­bi­tan­tes, pos­sui um enor­me po­ten­cial tu­rís­ti­co, es­pe­cial­men­te do La­je­do do Ro­sá­rio, na co­mu­ni­da­de de Ro­sá­rio, dis­tan­te 5 qui­lô­me­tros da se­de do mu­ni­cí­pio e da maior con­cen­tra­ção de ca­ver­nas vi­vas do Rio Gran­de do Nor­te,to­das elas con­cen­tra­das en­tre a zo­na ur­ba­na e zo­na ru­ral e si­tua­da nu­ma área pri­vi­le­gia­da comparando-se às de­mais ou­tras exis­ten­tes no Es­ta­do.

Con­for­me es­tu­dos rea­li­za­dos pe­la So­cie­da­de Es­pe­lo­ló­gi­ca Po­ti­guar (SEP), das 219 ca­ver­nas no Es­ta­do do Rio Gran­de do Nor­te, so­men­te no mu­ni­cí­pio de Fe­li­pe Guer­ra exis­tem 129, tornando-se a maior quan­ti­da­de de ca­ver­nas vi­vas e de gran­de for­ma­ção geo­ló­gi­ca e que ser­ve pa­ra de­sen­vol­ver o tu­ris­mo eco­ló­gi­co.

Em­bo­ra se­ja pro­mis­so­ra na área de eco­tu­ris­mo, ten­do um bom po­ten­cial há ser ex­plo­ra­do e di­vul­ga­do no Bra­sil e es­tu­dos fei­tos por en­ti­da­des am­bien­ta­lis­tas cons­ta­ta­ram que o mu­ni­cí­pio de Fe­li­pe Guer­ra, além de ter a maior quan­ti­da­de e qua­li­da­de de ca­ver­nas vi­vas do Rio Gran­de do Nor­te es­tá en­tre as maio­res do Nor­des­te, tu­do is­so fa­vo­re­ce­ria pa­ra os po­de­res pú­bli­cos que já de­ve­riam ter po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra a ge­ra­ção de em­pre­go e ren­da, atra­vés da rea­li­za­ção do tu­ris­mo eco­ló­gi­co no mu­ni­cí­pio de Fe­li­pe Guer­ra.
Con­vi­ven­do com o aban­do­no na atua­li­da­de já que faz mais de uma dé­ca­da que geó­lo­gos ten­tam reu­nir au­to­ri­da­des pa­ra de­ba­te­rem o po­ten­cial tu­rís­ti­co e geo­ló­gi­co de Fe­li­pe Guer­ra, to­das as ten­ta­ti­vas fo­ram em vão, is­so sem con­tar com a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Meio Am­bien­te e Tu­ris­mo que exis­te há mais de qua­tro anos e a po­pu­la­ção não co­nhe­ce ne­nhum pro­je­to por par­te do re­fe­ri­do ór­gão.

Se­gun­do in­for­ma­ções, os po­de­res Exe­cu­ti­vo mu­ni­ci­pal e es­ta­dual po­de­riam já ter cria­do e se­rem exe­cu­ta­dos pro­je­tos no sen­ti­do de in­for­mar à po­pu­la­ção lo­cal so­bre a im­por­tân­cia do de­sen­vol­vi­men­to da ati­vi­da­de tu­rís­ti­ca no mu­ni­cí­pio de Fe­li­pe Guer­ra e pro­je­tos de­sen­vol­vi­dos pe­la mu­ni­ci­pa­li­da­de, co­mo tam­bém cons­cien­ti­zar a po­pu­la­ção so­bre a pre­ser­va­ção e con­ser­va­ção dos pa­tri­mô­nios his­tó­ri­cos, cul­tu­rais, tu­rís­ti­cos e geo­ló­gi­cos exis­ten­tes, mos­trar a im­por­tân­cia da in­te­rio­ri­za­ção do tu­ris­mo co­mo fa­tor prin­ci­pal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da ati­vi­da­de e o pro­gres­so de for­ma mais am­pla pa­ra o mu­ni­cí­pio, co­mo ge­ra­ção de em­pre­gos, ren­da e a cria­ção de uma ca­len­dá­rio anual de even­tos com uma am­pla di­vul­ga­ção dos maio­res even­tos do mu­ni­cí­pio de Fe­li­pe Guer­ra, tais co­mo o Ré­veil­lon,Car­na­val,Fes­ta da Pa­droei­ra de Nos­sa Se­nho­ra do Per­pé­tuo So­cor­ro,Fes­ti­val Abe­lhu­do Rock, Eman­ci­pa­ção Po­lí­ti­ca,Fes­ta de Ani­ver­sá­rio das Igre­jas As­sem­bléia de Deus e Igre­ja de Cris­to,além de apoiar ou­tros even­tos pa­ra­le­lo no de­cor­rer do ano e a re­vi­ta­li­za­ção da Ci­da­de Bai­xa, fa­zen­do tom­ba­men­to co­mo pa­tri­mô­nio his­tó­ri­co e cul­tu­ral do mu­ni­cí­pio.

Ten­do uma quan­ti­da­de de ca­ver­nas ca­ta­lo­ga­das e de boa for­ma­ção geo­ló­gi­ca, pa­ra os geó­lo­gos que es­tão pes­qui­san­do há mais de dez anos, o mu­ni­cí­pio de Fe­li­pe Guer­ra des­co­nhe­ce a exis­tên­cia de quais­quer pro­je­tos por par­te dos go­ver­nos mu­ni­ci­pal e es­ta­dual no sen­ti­do da pre­ser­va­ção, con­ser­va­ção, di­vul­ga­ção e pro­mo­ção tu­rís­ti­ca no âm­bi­to do mu­ni­cí­pio e es­ta­dual a ser de­sen­vol­vi­do, o que se­gun­do eles já de­ve­ria exis­tir pro­je­to nes­se sen­ti­do, sen­do que du­ran­te es­se tem­po po­de­ria ter si­do ge­ra­do de­ze­nas de em­pre­gos na ci­da­de e no cam­po.

A des­co­ber­ta das ca­ver­nas e sua for­ma­ção par­ti­ram des­de o ano de 1996, du­ran­te a Se­ma­na San­ta, quan­do os geó­lo­gos do Clu­be de Es­pe­lo­lo­gia do Rio Gran­de do Nor­te (CERN), en­ti­da­de am­bien­ta­lis­ta se­dia­da em Na­tal, vie­ram atra­vés do De­par­ta­men­to de Bio­lo­gia e Geo­lo­gia da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio Gran­de do Nor­te (UFRN).

Pa­ra o pu­bli­ci­tá­rio An­dré Far­katt, "Fe­li­pe Guer­ra é um dos lu­ga­res do Bra­sil on­de suas be­le­zas na­tu­rais es­tão es­con­di­das",opi­na ele que à épo­ca fez tam­bém vá­rios ques­tio­na­men­tos a res­pei­to do po­ten­cial tu­rís­ti­co exis­ten­te e não ter is­to na­da de con­cre­to pe­los go­ver­nos mu­ni­ci­pal e es­ta­dual.

Des­de o co­me­ço da pes­qui­sa até os dias atuais, os geó­lo­gos cons­ta­ta­ram que a for­ma­ção de ca­ver­nas vi­vas e gru­tas em Fe­li­pe Guer­ra, for­man­do pis­ci­nas de águas cris­ta­li­nas, es­ta­lac­ti­tes e es­ta­lag­mi­tes,co­lu­nas,ni­nhos de pé­ro­las e tra­ver­ti­nos for­mam um gran­de po­ten­cial a ser ex­plo­ra­do e mos­tra­do aos mi­lha­res de tu­ris­tas adep­tos do tu­ris­mo eco­ló­gi­co em di­ver­sas re­giões do Bra­sil e no mun­do,atrain­do anual­men­te apro­xi­ma­da­men­te cer­ca de 30 mi­lhões de pes­soas,es­ta­tís­ti­cas re­fe­ren­tes ao ano de 1991,de acor­do com a So­cie­da­de Bra­si­lei­ra de Es­pe­lo­lo­gia(SBE) em bus­ca do tu­ris­mo eco­ló­gi­co.

                                               Cachoeira do Carapina: 
Um espetáculo da natureza-Com mais de 150 anos de exis­tên­cia, a Ca­choei­ra do Ca­ra­pi­na, lo­ca­li­za­da na co­mu­ni­da­de de Ro­sá­rio, dis­tan­te 6 qui­lô­me­tros da se­de do mu­ni­cí­pio de Fe­li­pe Guer­ra,mos­tra em seu pe­río­do de in­ver­no en­tre os me­ses de ja­nei­ro e ju­nho,um es­pe­tá­cu­lo de be­le­zas bu­có­li­cas formando-se um dos lo­cais mais fre­qüen­ta­dos por vi­si­tan­tes do mu­ni­cí­pio e pes­soas de ou­tras ci­da­des da re­gião Oes­te que vêm vi­si­tar um ver­da­dei­ro Oá­sis cons­truí­do pe­la mãe na­tu­re­za.

O no­me da ca­choei­ra que às ve­zes é con­fun­di­do pe­los pró­prios ha­bi­tan­tes da pa­ca­ta ci­da­de, te­ve sua ori­gem quan­do o agri­cul­tor, es­cul­tor e pes­ca­dor Pe­dro Car­do­so, mo­ra­dor na­ti­vo da re­gião do Ro­sá­rio, ali fa­zia tra­ba­lhos de es­cul­pir car­ros de boi, car­ro­ças e ca­noas, quan­do muitas ve­zes ele es­ta­va rea­li­zan­do seu tra­ba­lho de es­cul­pir ouvia-se de lon­ge o ba­ru­lho de ca­ra­pi­nar,que é o ba­ter na ma­dei­ra pa­ra es­cul­pir e dar for­ma­ção há ob­je­tos, tan­to, que foi fei­to uma as­so­cia­ção da mu­si­ca­li­da­de do som das que­das das águas da ca­choei­ra e daí dos seus ins­tru­men­tos de tra­ba­lho fez des­sa jun­ção da ar­te de ca­ra­pi­nar que é o ofí­cio de es­cul­pir a ma­dei­ra e des­te mo­men­to de­ram o no­me de um dos lo­cais mais in­te­res­san­tes da his­tó­ria do mu­ni­cí­pio, Ca­choei­ra do Ca­ra­pi­na. No­me es­se que inú­me­ras pes­soas ido­sas ain­da con­tam pa­ra as no­vas ge­ra­ções que não co­nhe­cem um pou­co da His­tó­ria do mu­ni­cí­pio de Fe­li­pe Guer­ra.


                Município de Felipe Guerra é oficializado no Pólo Serrano

No dia 18 de ju­lho de 2008, o Diá­rio Ofi­cial do Es­ta­do (DOE), atra­vés do de­cre­to de nú­me­ro 20.624, o go­ver­no do es­ta­do do Rio Gran­de do Nor­te ins­ti­tu­cio­na­li­zou a cria­ção do Pó­lo Tu­rís­ti­co Ser­ra­no que de­ve­rá con­tem­plar 16 ci­da­des da re­gião do Mé­dio e Al­to Oes­te Po­ti­guar, en­tre elas, Ale­xan­dria, An­tô­nio Mar­tins, Ca­raú­bas, Cam­po Gran­de, Dou­tor Se­ve­ria­no, Fe­li­pe Guer­ra, Lu­cré­cia, Luís Go­mes, Ma­jor Sa­les, Mar­tins, Pa­tu, Pau dos Fer­ros, São Mi­guel, Ve­nha Ver e Vi­ço­sa.

Com a cria­ção do Pó­lo Tu­rís­ti­co Ser­ra­no que aten­de as di­re­tri­zes do Pla­no Na­cio­nal do Tu­ris­mo 2007/2010, es­pe­ci­fi­ca­men­te o Ma­cro­pro­gra­ma de Re­gio­na­li­za­ção do Tu­ris­mo e reú­ne "mu­ni­cí­pios com po­ten­cia­li­da­des tu­rís­ti­cas se­me­lhan­tes com o ob­je­ti­vo de es­tru­tu­ra­ção e o pla­ne­ja­men­to do de­sen­vol­vi­men­to do tu­ris­mo sus­ten­tá­vel, res­pei­tan­do as tra­di­ções e as prá­ti­cas so­ciais e cul­tu­rais", além de pro­mo­ver o de­sen­vol­vi­men­to do tu­ris­mo se­le­ti­vo e or­ga­ni­za­do, ge­ra­dor de ga­nho eco­nô­mi­co e so­cial, con­for­me foi anun­cia­do no De­cre­to de Cria­ção do Pó­lo Tu­rís­ti­co Ser­ra­no, as­si­na­do pe­la Go­ver­na­do­ra do Es­ta­do do Rio Gran­de do Nor­te, Wil­ma Ma­ria de Fa­ria e o Se­cre­tá­rio Es­ta­dual de Tu­ris­mo, Fer­nan­do Fer­nan­des.

Em­bo­ra te­nha si­do ofi­cia­li­za­do pe­lo Go­ver­no do Es­ta­do, o Pó­lo Tu­rís­ti­co Ser­ra­no, de acor­do com o de­cre­to de cria­ção é um es­pa­ço socioeconômico ho­mo­gê­neo com van­ta­gens com­pe­ti­ti­vas e vo­ca­cio­nais, ten­do o ob­je­ti­vo de in­te­grar to­da ca­deia pro­du­ti­va do tu­ris­mo e ofe­re­cer as mais am­plas pos­si­bi­li­da­des de de­sen­vol­vi­men­to eco­nô­mi­co e so­cial pa­ra os mu­ni­cí­pios que fa­zem par­te do pó­lo e as­sim pro­mo­ver o tu­ris­mo nas re­giões de abran­gên­cia do pro­je­to.

Po­rém, com a ins­ti­tu­cio­na­li­za­ção do Pó­lo Tu­rís­ti­co Ser­ra­no ain­da não exis­te da­ta pre­vis­ta pa­ra que se­jam de­ba­ti­dos e apre­sen­ta­dos pro­je­tos de me­lho­ria pe­los go­ver­nos mu­ni­ci­pais das ci­da­des que fa­zem par­te o pó­lo, e quais os ca­mi­nhos que o Pó­lo Tu­rís­ti­co Ser­ra­no de­ve­rá se­guir com pro­pos­tas real­men­te viá­veis pa­ra que pos­sam con­tri­buir com o de­sen­vol­vi­men­to da re­gião que se pro­põe.

En­tre­tan­to é es­pe­ra­do dos go­ver­nos mu­ni­ci­pais de to­das as ci­da­des que com­põem o pó­lo que ha­ja em­pe­nho pa­ra que a po­pu­la­ção pos­sa acre­di­tar e ver o de­sen­vol­vi­men­to em suas mais di­fe­ren­tes áreas e as­sim por dian­te ten­tar ser o elo pro­mis­sor de um no­vo tem­po tão es­pe­ra­do pro­je­to no tu­ris­mo da re­gião do Mé­dio e Al­to Oes­te Po­ti­guar do Rio Gran­de do Nor­te. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deste blog estão sujeitos a moderação e não serão publicados: comentário com ofensa pessoal, racismo, bullying ou desrespeito a opinião dos outros e/ou ofensas a outros comentários.

publicidade

Redes Sociais

Siga para ficar mais próximo do blog.