Nas Redes

Estratégia do Palácio do Planalto para barrar denúncia na CCJ envolveu liberação de emendas para deputados

Levantamento feito pela Folha de S.Paulo mostra que, apenas nos últimos dois meses, o Planalto liberou R$ 1 bilhão para projetos de emendas parlamentares. 

A cifra representa 31% a mais do que o mesmo período do ano passado, quando Michel Temer ocupava a Presidência da República interinamente, enquanto tramitava o processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff.

Uma das peças trocadas pelo governo na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJC) para a avaliação da denúncia contra Temer, o deputado Lincoln Portela (PRB-MG) afirmou ao jornal que “quem apoia, tem a verba”. Ele foi substituído por um parlamentar com voto declaradamente pró-governo.
Levantamento feito pelo deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), conforme publicou o jornal O Globo, aponta valor ainda maior. De acordo com ele, teria sido empenhado, apenas nos últimos 14 dias, total de R$ 1,9 bilhão,quase o valor que havia sido empenhado até dia 6 de junho, que foi de R$ 1,8 bilhão. Tais emendas ainda não foram detectadas no Siga Brasil, sistema de gestão do orçamento disponível na internet.

De acordo com mapeamento da Rede, a liberação de recursos previstos em emendas de deputados federais ocorreu desta maneira: em maio, os empenhos somaram R$ 89,4 milhões; em junho, R$ 1,8 bilhão; atingindo R$ 1,9 bilhão apenas nos primeiros dias de julho, nos dias que antecederam a votação na CCJ.

Pelas regras do Orçamento Impositivo, todos os 594 parlamentares têm direito a cota de mesmo valor, mas o governo controla o cronograma de empenho conforme seus interesses. O deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que foi nomeado relator para fazer um parecer contra a denúncia na CCJ, já teve empenhado um valor de R$ 5,1 milhões no ano apenas das emendas previstas no Orçamento da União de 2017. O deputado Alessandro Molon não aparece com registro de emendas.

A Folha ouviu parlamentares da oposição, que relataram não ter recebido dinheiro para as emendas. “São cenas explícitas de fisiologismo e cooptação, visando a sobrevivência de um governo moribundo. Só isso já daria mais uma denúncia de corrupção para caçá-lo”, afirmou o oposicionista Ivan Valente (PSOL-SP).

Durante a votação na CCJ, o próprio deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), que apresentou parecer a favor da denúncia , acusou colegas de terem sido beneficiados por liberação de emendas. Zveiter, segundo os dados, não tem emendas empenhadas.Congresso Em Foco/Foto:Lula Marques/Agência PT

farol marcas e patentes

Comentários

Os Comentários publicados, são de inteira responsabilidade de quem está comentando por perfil no facebook, não representa o autor nem o blog, isenta totalmente a opinião do autor deste Blog.

Instagram